Articulista

Danielle Santi Bostelmann

Advogada Sócia da área da Compliance e LGPD da Pironti Advogados. Mestranda em Direito Penal e Ciências Criminais pela Universidade de Lisboa (FDUL): ênfase em Compliance e Gestão de Riscos. Co-fundadora do Grupo GPADE – Grupo de Estudos e Pesquisa Avançado em Direito Empresarial Econômico. Graduada na Universidade Positivo, atuou como advogada na esfera empresarial e tributária. Autora dos artigos “A omissão imprópria do Compliance Officer e a perspectiva do Whistleblowing”e “O compliance como objeto de autorregulação: interferência na responsabilidade penal da pessoa jurídica”, ambos publicados pela Universidade de Lisboa. Co-autora do artigo “A responsabilização da Administração Pública na Lei Geral de Proteção de Dados” no livro: Lei Geral de Proteção de Dados no Setor Público, Coordenação de Rodrigo Pironti, Editora Fórum, 2021. Antes de se tornar advogada, foi estagiária da Fazenda Pública do Estado do Paraná e do Juizado Especial Cível de Curitiba pelo período de dois anos.

O direito ao esquecimento pelos olhos da LGPD

10 de maio de 2021

O direito ao esquecimento pelos olhos da LGPD

Escrito por

O Direito ao esquecimento voltou a ser discutido com o advento da internet de forma massiva, vez que é inegável a repercussão de assuntos constantemente divulgados pela mídia, redes sociais, jornais televisivos, e que, por consequência, ficam eternizados nas redes, impedindo a pessoa de recomeçar. Casos internacionais e nacionais sempre repercutiram na mídia e tomaram conta da jurisprudência ao redor …

LGPD e a necessidade de parametrização em esfera penal

9 de abril de 2021

LGPD e a necessidade de parametrização em esfera penal

Escrito por

Como proporcionar estabilidade jurídica à Lei Geral de Proteção de Dados pessoais sem deixar de lado a transparência no uso das informações pelos órgãos de investigação? É cada vez mais notória a necessidade de regulamentação específica sob o viés da proteção penal na Lei Geral de Proteção de Dados, vez que referida legislação, em seu art. 4, acabou por excluir …